O melhor do Rio de Janeiro está aqui. Centenas de fotografias, o Rio antigo, crônicas, música, bossa nova, MPB, sugestões de passeios, a história do Rio de Janeiro desde a fundação.

Bossa Nova e suas histórias

Por Sóstenes Pernambuco Pires Barros

O que é 'Bossa'? Por que 'Bossa Nova'? Onde, quando e como tudo começou?

A palavra 'bossa' era um termo da gíria carioca que, no fim dos anos cinqüenta , significava 'jeito', 'maneira', 'modo'. Quando alguém fazia algo de modo diferente, original, de maneira fácil e simples, dizia-se que esse alguém tinha 'bossa'. Se o Ricardo desenhava bem, dizia-se que tinha 'bossa de arquiteto'. Se o Paulo escrevia, redigia bem, tinha 'bossa de jornalista'. E a expressão 'Bossa Nova' surgiu em oposição a tudo o que um grupo de jovens achava superado, velho, arcaico, antigo. Sim, mas o quê era julgado superado e velho, na música popular brasileira? 'Tudo', dizia a mocidade bronzeada de Copacabana.

A tristeza e melancolia das letras, a repetição dos ritmos 'abolerados' e dos 'sambas-canção'; era tudo a mesma coisa, não obstante os grandes cantores da época: Nelson Gonçalves, Orlando Silva, Carlos Galhardo. Lindas valsas e serestas? Sim, e daí? Daí é que algo tinha de ser feito.

Diferentes harmonias, poesias mais simples, novos ritmos. - Ritmo é batida, como do relógio, do pulso, do coração- E Bossa Nova é batida diferente do violão, poesia diferente das letras, cantores diferentes dos mestres. A Bossa Nova não seria melhor nem pior. Seria completamente diferente de tudo, mais intimista, mais refinada, mais alegre, otimista. Diferente. Não começou especificamente num lugar, numa rua, num evento, num Festival. A rigor, ela não é nem um gênero musical. É o tratamento que se dá a uma música, em termos de 'batida' e de ritmo.

O primeiro grande marco inicial da Bossa Nova aconteceu em primeiro de março de 1958,quando João Gilberto cantou, com a batida de violão diferente, 'Chega de Saudade', posteriormente gravada por Eliseth Cardoso, no disco 'Canção do amor demais'. Em 1956, ninguém falava em Bossa Nova, mas o apartamento onde morava Nara Leão, no Edifício Palácio Champs Elysée, em frente ao Posto 4, já era ponto de reunião dos rapazes bronzeados de Copacabana: Carlos Lyra, Roberto Menescal, Ronaldo Boscoli e outros. Não se compunham músicas ali. Ouviam-se. E trocavam idéias.

Só no ano seguinte, em 1957, João Gilberto chegou ao Rio e, certa noite, foi à casa de Roberto Menescal, na Galeria do mesmo nome, em Copacabana. E aconteceu o grande encontro: O ritmo encontrou a música e a poesia.

O GRANDE ENCONTRO: JOÃO GILBERTO E ROBERTO MENESCAL
UM DESLUMBRAMENTO - OS PRIMÓRDIOS DA BOSSA NOVA


- Tem um violão aí? Eu sou o João Gilberto. Podíamos tocar alguma coisa.

Menescal, surpreso com "aquela figura esquisita", mandou-o entrar.

Já ouvira falar num "baiano meio louco, genial, afinadíssimo," que às vezes aparecia no Plaza, na Rua Princesa Isabel, por volta de 1957.

Carlos Lyra já conhecia "aquela figura".

Mas voltemos ao apartamento do Menescal.

Casa cheia. Menescal levou o baiano para o quarto dos fundos. Curioso. Violão examinado e devidamente afinado, João começou a cantar "Hô–ba-la-la", de sua autoria. Uma espécie de beguine – musica caribenha já esquecida. Menescal não entendeu nada da letra. Mas quem se importava com letra? A voz do "cara" era um instrumento! Um trombone da melhor qualidade. E João Gilberto não parecia cantar. Dizia as letras, num sussurro, mal abrindo os lábios. E repetiu o estranhíssimo "Ho-ba-la-la" cinco ou seis vezes, cada uma de maneira diferente, mas com a mesma batida. A mesma bossa. Quase ninguém conhecia João Gilberto, no Rio, em 1957, principalmente os mais jovens. Quem ele era, o que fazia, como aprendera violão, como cantar daquele jeito diferente. Sabia-se, vagamente, que viera da Bahia pra cantar num conjunto, mas não se adaptara. E cantava esporadicamente, na noite do Rio. Fascinado, Menescal resolveu "mostrar sua descoberta" aos amigos.

E saiu com o baiano a tiracolo.

Com violão e tudo.

Começou pelo apartamento de Ronaldo Bôscoli, na rua Otaviano Hudson, onde João Gilberto cantou "Ho-ba-la-la" muitas vezes.

E cantou outra canção muito estranha, chamada "Bim-Bom".

Música noite a dentro - Como dormir?
A "pré-Bossa Nova" de Dick Farney


O mestre João Gilberto abriu os ouvidos de Menescal e Bôscoli para uma música que até então desconheciam. O dia amanhecia quando chegaram os três ao apartamento da Nara Leão, onde "o show" foi repetido mais uma vez.

E o grupo partiu para a Urca, onde morava Ana Lu. Fascinado, Roberto Menescal queria aprender aquela "batida" diferente e não tirava os olhos das mãos de João Gilberto. E era professor de violão, como o Carlos Lyra. E a voz? O baiano explicou como conseguia soltar "um monte" de frases num único fôlego. "Reza a lenda" que João Gilberto admirava muito a respiração de Dick Farney, que já cantava uma espécie de "pré-bossa nova". E, mesmo fumando dois maços de cigarros por dia, tinha uma técnica muito especial, em termos de respiração. Sinatra, claro, era o guru maior. Ensinou ao mestre que ensinou ao professor. Talvez João Gilberto nem soubesse que Sinatra era mestre em respiração. Seus mestres eram mesmo os yogues indianos. O baiano era muito estranho!

Com o nome de Farnésio Dutra cantor algum conseguiria ser conhecido, mesmo com o enorme charme que encantava as meninas, à época da Segunda Guerra Mundial.

Assim, um rapaz de 24 anos tornou-se Dick Farney - charme, voz, elegância, bom gosto "pra dar vender", como se dizia. Esbanjava talento no Cassino da Urca, no tempo em que o jogo era permitido. Ele tinha gravado "Copacabana", pela Continental, em 1942, de João de Barro, o nosso querido "Braguinha". Sucesso absoluto que ouve-se até hoje, nas rádios de bom gosto.

Mas Dick queria mais, muito mais. Seu "papa" era Frank Sinatra, "The Voice". Nele se inspirava para cantar, gesticular, andar no palco, estar sempre de gravata e cabelo bem penteado. Já o chamavam de "O Sinatra Brasileiro" e havia até um Fan Clube, de carteirinha e tudo: "Sinatra-Farney Fan Club".

Aos vinte e cinco anos foi para os Estados Unidos para tentar cantar e gravar em inglês, levando um contrato inicial de cinqüenta e duas semanas com a Cadeia de Radio NBC. E não é que deu certo? Gravou um grande sucesso da época: "Tenderly". Nos dois anos seguintes a Continental lançou outros sucessos, clássicos como "Ser ou não ser", "Marina" e "Esquece".

Eram os anos 1947 e 1948, quando voltou para o Brasil - não sem antes ser elogiado pessoalmente pelo maior cantor do século: Francis Albert Sinatra. Como escreveu Ruy Castro, em relação a Frank Sinatra, ouso repetir a frase com relação a Dick Farney: "Não creio que o século vinte tenha fundos para resgatar sua dívida emocional para com Dick Farney". Ele emocionou milhões de corações com "Somos Dois", "Marina", "Copacabana", "Nick Bar", "Aeromoça", "Não tem Solução", "A saudade mata a gente", "Tereza da Praia", "Uma loira", "Um Cantinho e Você" e tantas outras belezas!

Os bronzeados rapazes de Copacabana
Roberto Menescal, Carlos Lyra e a Academia de Violão


Em 1956, pressionado pela familia, Menescal teve que "deixar a boa vida" de pesca submarina, violão e milk shake. E veio o conflito natural de todo jovem: a escolha da profissão. Não sabia se, continuando a tradição familiar, faria o vestibular para Arquitetura, se entrava para a Marinha (onde havia muitos "barquinhos" e muito peixe pra pescar), ou continuava a aprender violão com o Edinho, do Trio Irakitan, para desgosto dos pais.

Falsificando a carteira de estudante, começava a invadir os lugares da noite carioca, fascinado pelo Tito Madi e pela Sylvinha Telles.

Fascinado também pelo disco "Julie is her name", onde um tal de Barney Kessel "destroçava" um tremendo violão!

Preocupados, os pais observavam o fanatismo do Menescal, que cursava o último ano do Curso Científico do Colégio Mello e Souza, na Rua Xavier da Silveira.

Ele soube que no Colégio Mallet Soares, na mesma rua, um tal de Carlos Lyra já tocava violão por cifra, quase profissional. Muitos alunos, e até professores, "matavam aula" pra ouvir o violão do Carlos Lyra, que já gravara duas músicas. Sem o conhecimento dos pais, Menescal rapidamente pediu transferência para o Mallet Soares. Queria ficar perto do mestre das harmonias.

Era 1956. Os pais de Menescal, como todos os pais, não aceitavam o violão, de jeito nenhum. Era "instrumento de boêmio irresponsável". E, coitado do Menescal, que não tinha nada de boêmio. Não fumava. Só bebia milk shake. Com a mesada cortada pelos pais preocupados, o nosso Menescal teria que virar-se. Sem dinheiro para o milk shake, propôs ao Carlinhos Lyra abrirem uma Academia de Violão. Mais que depressa, Carlos Lyra aceitou, louco pra se livrar dos desvelos de sua super-mãe.

MENESCAL, CARLOS LYRA E A ACADEMIA DE VIOLÃO
HISTÓRIAS NO APARTAMENTO DA RUA SÁ FERREIRA


João Paulo, amigo de Carlos Lyra, tinha um pequeno apartamento na Rua Sá Ferreira, para "encontros furtivos".

Sabendo que os dois "professores" planejavam montar uma Escola de Violão propôs-lhes o seguinte:

- Vocês me pagam 10% do que receberem dos alunos e a "Academia" pode começar. Fica estabelecido que os "encontros" estão automaticamente suspensos.

Negocio fechado. E o que parecia uma aventura começou a dar bons frutos. Aluno não faltava, só que a grande maioria era composta de alunas. As mães zelosas começaram a desconfiar do repentino interesse de suas filhas pelo violão. E logo souberam da verdade: Os professores eram "dois tremendos boas pinta".

Mas... negócio é negócio e os professores faziam questão de manter a Academia nos rígidos padrões de respeito às alunas, principalmente o Roberto Menescal.

Sucesso absoluto. Em poucas semanas já havia quase cinqüenta alunas, inclusive a Nara Leão, em cujo apartamento aconteciam as reuniões tão famosas.

Carlinhos Lyra, que já tinha composto sua primeira música [e letra], "Quando chegares" [1954], tinha na praça as músicas "Menino" e "Foi a noite", gravadas pela Silvinha Telles. Ficou independente das "mesadas maternas".

Enquanto dava aulas de violão, Carlos Lyra , em 1956, "estoura" com seu primeiro grande sucesso: "Maria Ninguém". Mal sabia que seria uma das músicas favoritas de Jaqueline Kennedy que cantava "Maria Nobody"!

Daí em diante foi só sucesso. O mestre Tom Jobim afirmava que Carlos Lyra era autor das melhores harmonias. Em 1962 ele estava no famoso Concerto de Bossa Nova, no Carnegie Hall, de Nova York. Uma tremenda desorganização que fez a Bossa ultrapassar fronteiras e ganhar o mundo. Nesse mesmo ano compõe com o mestre Vinicius o musical "Pobre Menina Rica".

Carlos Lyra perguntava ao Vinicius de Moraes:

- Mas, Vinicius, como pode uma menina da Vieira Souto se apaixonar por um mendigo?

E o nosso "poetinha" retrucou: 

- É primavera! É primavera!

Nesse musical estão duas obras primas de poesia e música: "Minha namorada" e "Primavera". Sem dúvida, duas das mais belas obras da nossa MPB.

SURGE UM NOVO PERSONAGEM NA HISTÓRIA DA BOSSA NOVA
RONALDO BÔSCOLI ENCONTRA ROBERTO MENESCAL
E COMEÇA UMA PARCERIA DE PRIMEIRA QUALIDADE


Era 1956. Numa roda de violão, na Gávea, Menescal encontrou um grupo de rapazes cantando "coisas diferentes". Um deles tentava cantar músicas de Dick Farney, o que já era atestado de bom gosto. Era um repórter do jornal "Última Hora" chamado Ronaldo Bôscoli. E cantava muito mal. Conversa vai, conversa vem, viram que tinham muita coisa em comum: Detestavam a tristeza das músicas que à época pareciam "dor de cotovelo". A exemplo de Dick Farney, adoravam Frank Sinatra. O forte do Menescal sempre foi a música. O do Bôscoli, a letra.

Marcaram um encontro que não houve, mas no segundo, na casa de Nara, os dois disseram "presente". Já era 1957 e a "Academia do Violão" estava fechada,"por motivo de força maior".

Ronaldo Bôscoli levou Chico Feitosa, (com quem dividia um apartamento) às famosas reuniões em casa de Nara. Chico já era parceiro de Bôscoli na canção "Fim de noite" e o nosso Ronaldo acabou instalado na casa de Nara, graças à extrema bondade dos pais da futura "musa da bossa nova". Ele tinha 28 anos e ela apenas 20. Nara e os pais se encantaram com o hóspede. Charmoso, inteligente e, como ela, muito tímido, o que aumentava a atração. Já saíam juntos, sem receios dos pais. Sabiam que em sua companhia ela não corria riscos.

A essa altura Carlinhos Lyra e Menescal reuniram suas economias e reabriram a Academia. Novo sucesso: 200 alunas! E quando o Menescal apresentou Carlos Lyra ao Ronaldo Bôscoli, aí sim, a Bossa Nova começou a ficar mais rica, em quantidade e qualidade de poetas, cantores e compositores. E começou o sucesso: "Se é tarde me perdoa", "Lobo Bobo". E a Academia prosperava, já com um terceiro professor: Normando Santos. E a turma da casa de Nara aumentou mais ainda, com a chegada dos irmãos Castro Neves, Mário e Oscar, dois "ases" em música instrumental.

NARA LEÃO
SEU TALENTO, SUA VOZ, SEUS LINDOS JOELHOS
AS FAMOSAS REUNIÕES EM SEU APARTAMENTO


Dr. Jairo Leão e sua mulher, dona Tinoca, eram do Espírito Santo, mas foi aqui no Rio que sua carreira de advogado teve êxito.

Tinham duas filhas: Danuza, a mais velha, e Nara, que nasceu em 19 de janeiro de 1942 e veio para o Rio aos dois anos. Tinha apenas quatorze quando a Bossa Nova entrou na sua vida. Era 1956.

O "Cursinho de Violão" recebeu uma nova aluna: Nara Lofego Leão.

Ao contrário do pai de Menescal, o Dr. Jairo tinha uma outra opinião no que diz respeito ao famoso instrumento. Mesmo antes de existir a escola de violão, Nara já possuia um violão e um famoso professor: Patricio Teixeira, que dava aulas em sua casa. Levava nítida vantagem em relação às colegas de classe, claro.

Foi Ronaldo Bôscoli quem descobriu a beleza dos seus joelhos.

Escreve ele:

"Chegando lá, toquei a campainha e quem me recebeu foi a própria Nara. Estava de shortinho curto, deixando inteiramente a descoberto seus joelhos redondinhos, que foram objeto de muitas poesias, crônicas e suspiros gerais."

Nos últimos anos de 1950, trabalhava como repórter, num jornal do Rio. Estreou profissionalmente em 1963, cantando no musical "Pobre Menina Rica", de Vinicius de Moraes e Carlos Lyra. Gravou duas faixas no disco de Carlos Lyra "Depois do Carnaval": "É tão triste dizer adeus" e "Promessas de você". No ano seguinte, em 1964, gravou seu primeiro LP: "Nara". Um disco muito polêmico, porque misturou Bossa Nova com samba de morro que "não tinha nada a ver".

No fim daquele ano gravou o famoso "Opinião" e participou do show-protesto. Como Carlos Lyra, Nara era o que se chamava uma cantora "politicamente engajada". Em 1965 convidou uma nova cantora, Maria Bethânia, para substituí-la no show. Tornou-se, assim, descobridora da famosa cantora baiana.

1966 foi um ano de grandes sucessos: "A Banda", de Chico Buarque e "Disparada" de Geraldo Vandré. "A Banda" dividiu com "Disparada" o primeiro lugar no II Festival de Música Popular Brasileira da TV Record. Sucesso fulminante. O compacto vendeu 55 mil cópias em apenas quatro dias.

Um tumor, localizado em seu cérebro, causou sua morte em 7de junho de 1989. Ela resistiu quase quatro anos.

ANTÔNIO CARLOS JOBIM

A Bossa Nova já nasceu abençoada por Deus. Teve a participação brilhante do maestro Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim - ou simplesmente Tom Jobim.

É unanimidade nacional: Tom foi a figura mais importante da música brasileira, em toda a sua história, só comparável a Villa-Lobos, a quem admirava profundamente. Conhecido e reconhecido em todo o mundo, Tom havia mudado de endereço, indo morar em Copacabana.

Em 1954, Tom retornou a Ipanema, para famoso endereço: Rua Nascimento Silva,107 apartamento 201. Foi nele que, em parceria com Vinicius de Moraes, compôs o clássico "Se todos fossem iguais a você", em 1956. Em 1957, compôs outro clássico, "Chega de saudade" e reencontrou João Gilberto. Alguns pesquisadores acham que daquele encontro resultou a Bossa Nova. Vinicius de Moraes concorda, mas o tema é muito controvertido. Em 62 Tom veio morar perto de mim, aqui na Rua Barão da Torre, também número 107 e aqui ficou até 1965. Naquele ano recebeu um bom dinheiro de direitos autorais e comprou uma casa na Gávea, na Rua Codajás, deixando (fisicamente) Ipanema para sempre. Mas Ipanema, e não Copacabana, é o berço da Bossa Nova. Escreve Ruy Castro em "Ela é Carioca":

"...embora a vitrine da Bossa Nova fosse Copacabana, o coração musical do movimento estava em Ipanema. Foi aqui que ele compôs, com Newton Mendonça, "Foi a Noite", "Caminhos Cruzados", "Discussão", "Domingo Azul do Mar", "Meditação", "Desafinado" e "Samba de uma nota só". Aqui ele compôs, com Dolores Duran "Estrada do Sol", "Se é por falta de adeus" e "Por causa de você".

Em Ipanema ele compôs "Eu sei que vou te amar", "A felicidade", "Insensatez", "Agua de Beber", "O amor em Paz", "Por toda a minha vida", "O grande amor", "O morro não tem vez", "Ela é Carioca", "Garota de Ipanema", "Dindi", "Inútil Paisagem", "Samba do avião" e tantas obras primas.

Será coincidência que a fase mais solar e marítima da obra de Tom tenha sido feita quando ele morava aqui?"

O que vocês acham?

VINÍCIUS DE MORAES
O CASAMENTO PERFEITO: DOIS GÊNIOS SE ENCONTRAM NA BOSSA


Aos quarenta e cinco anos, em janeiro de 1958, Vinicius - o poeta, encontra a semente da Bossa Nova em "Chega de Saudade" - uma das faixas do LP "Canção do Amor Demais", gravado por Elizeth Cardoso. Seu parceiro - o maestro maior - foi Tom Jobim. A Bossa Nova nascia privilegiada. Três "monstros sagrados". Já podia-se ouvir a batida do violão de João Gilberto. De repente um diplomata foi promovido a guru de um movimento musical. E não parou mais de escrever maravilhas.

Entre 58 e 65 produziu, com Tom Jobim, cinqüenta títulos, quarenta com Baden Powel, trinta com Carlos Lyra e vinte com Edu Lobo.

Entre 58 e 65 produziu, com Tom Jobim, cinqüenta títulos, quarenta com Baden Powel, trinta com Carlos Lyra e vinte com Edu Lobo.

A rigor pode-se dizer, sem medo de errar, que a mudança radical da poesia na MPB começou com Vinícius de Moraes. A mulher traidora, vulgar, vilã e vagabunda cedeu o lugar à garota bonita cheia de graça, à mulher amada e linda. A mulher rejuvenesceu, deixou de ser vamp. Passou a ser graciosa.

Foi a dupla Tom-Vinícius que universalizou a Bossa Nova.E, pasmem, foi muito criticada por alguns críticos "de mal com a vida". A Bossa foi acusada de influência americana, quando, ao contrário, influenciou e contagiou a música de Tio Sam.

É muito extensa a obra poética de Vinícius, literária e musical.

BADEN POWEL
A BOSSA NOVA ENRIQUECE E GANHA O MAIOR VIOLONISTA DO PAÍS


Roberto Baden-Powell de Aquino, ou simplesmente "Baden Powell" nasceu numa cidadezinha do interior fluminense chamada "Varre-e-sai" em 6 de agosto de 1937. Veio para o Rio em 1955 indo morar em São Cristovão.

Neto e filho de músicos, o garoto herdou o talento e a genialidade que estarreceram o mundo anos mais tarde. Seu primeiro violão foi "roubado" de uma tia e seu primeiro professor foi o Meira - violonista da orquestra de Pixinguinha.

Baden começou a tocar profissionalmente no Cabaré Brasil e, mais tarde, na boite do Hotel Plaza, onde se reuniam os primeiros "bossanovistas". Seu primeiro sucesso foi "Samba Triste", composto em 1959, em parceria com Billy Blanco.

Escreve Luiz Carlos Maciel: "Para mim, Baden Powell é o maior compositor da genuína música popular brasileira - ninguém faz uma seresta moderna melhor que ele. Toca tudo que é possível e toca melhor do que todo mundo. Ninguém harmoniza melhor do que Baden. Ninguém. Eu o conheci através de Dolores Duran, no Beco das Garrafas, no Little Club... tenho quase certeza de que fui eu quem o aproximei de Vinicius de Moraes."

Parecia que "uma química especial" existia entre os dois. Ficavam dias inteiros tentando encontrar o fim de uma canção! A primeira parceria foi "Samba em Prelúdio". E se seguiram mais de 50 clássicos. Baden teve muitos parceiros poéticos, inclusive Paulo Cesar Pinheiro. Desse ultimo, eu gosto muito de "Violão Vadio" que Eliseth interpreta magistralmente. O longo período em que viveu na Europa fez com que seja muito mais conhecido naquele continente, principalmente na França e na Alemanha.

É, sem dúvida, o maior violonista do Brasil em todos os tempos, não só pela técnica, mas pela capacidade de criar. Ninguém criava acordes mais lindos. Baden suplantava a todos.

PERY RIBEIRO
A MAIS LINDA VOZ DO BRASIL GRAVA "GAROTA DE IPANEMA"
UM CLÁSSICO DA BOSSA NOVA


Pery Ribeiro é filho da famosa cantora Dalva de Oliveira e do compositor Herivelto Martins. Esse nome artístico foi sugerido e adotado pelo apresentador César de Alencar nos anos cinqüenta.

Gravou seu primeiro disco em 1960. No ano seguinte gravou dois grandes sucessos da dupla Antonio Maria e Luiz Bonfá: "Manhã de Carnaval" e "Samba de Orfeu". É um cantor de estilo genuinamente romântico e de seus relacionamentos com a Bossa Nova surgiu a primeira gravação de "Garota de Ipanema", de Tom e Vinicius, feita em 1963. Gravou doze discos desse repertório, dos quais se destacam:

- "Pery Ribeiro sings Bossa Nova Hits" [1980]

- "Os grandes sucessos da BossaNova" [1980]

Pery é um cantor completo: Um lindo timbre de voz, respiração perfeita, apurado uso do diafragma e uma ótima divisão de frases. Pena não ter o reconhecimento merecido.

Desenvolveu trabalhos jazzisticos com Leny Andrade e Bossa Três, com quem obteve sucesso na gravação ao vivo do show "Gemini V", viajando pelo México e Estados Unidos, onde atuou também ao lado do Conjunto Sérgio Mendes.

Recomendo um disco perfeito do Pery que ouço quase diariamente:

- "Tributo a Taiguara"

Imperdível!

LÚCIO ALVES
OUTRO GRANDE PIONEIRO DA BOSSA NOVA


No seu livro -"A onda que se ergueu no mar"- Ruy Castro escreve, com o brilhantismo e a competência de sempre, um ótimo resumo biográfico de Lucio Alves, fazendo um paralelo com a vida de outro "monstro sagrado": Dick Farney.

"Os dois tornaram clássico quase tudo que gravaram. Inspiraram seguidores sofisticados, abriram o caminho para a Bossa Nova, participaram dela como ministros sem pasta e, juntamente com ela, foram atropelados pelo processo. Na passagem dos anos 60 para 70, os dois viram seu mercado encolher dramaticamente. Mas nunca se prostituíram, nunca fizeram concessões a estilos em que não acreditaram. E pagaram por isso: morreram tristes, abandonados pelas gravadoras, afastados do público - Dick, em São Paulo, em 1987, aos 66 anos; Lucio, no Rio, em 1993, também aos 66 anos."

Lucio Alves nasceu em 1927, em Cataguazes, Minas Gerais, mas aos sete anos já estava no Rio. Muito jovem estreou no Programa "Picolino", na Radio Mayrink Veiga. Tinha apenas nove anos e já se apresentava, cantando o repertório de Orlando Silva, mas sua grande paixão era a voz do seu ídolo: Bing Crosby. Aos quatorze anos formou o Conjunto "Namorados da Lua". Já fumava desde os nove anos, "tomava umas e outras" e morava com uma mulher que tinha o dobro da sua idade!

E foi aí que surgiu seu primeiro sucesso: "De conversa em conversa", em parceria com Haroldo Barbosa. Daí em diante, foi só sucesso: 1945:"Eu quero um samba".

Lucio Alves gravou quase todo o repertório de Dick Farney. Os dois empolgaram a garotada que viria a fazer a Bossa Nova: Johnny Alf, João Donato, Dolores Duran, Billy Blanco, Tom Jobim, Newton Mendonça, Tito Madi e Carlos Lyra.

Em 1954, Dick e Farney receberam "um presente" de Tom e Billy: O clássico "Tereza da Praia", em homenagem a Tereza Hermany - mulher de Tom Jobim. Música e uma letra ma-ra-vi-lho-sas!.

Poucos sabem que Lucio Alves foi uma presença ativa nos primeiros shows amadores da Bossa Nova. Carro-chefe do famoso show na Escola Naval. Esse eu vi, acreditem!

HISTÓRIAS PITORESCAS DA BOSSA NOVA

Todo mundo ouvia falar muito de João Gilberto. Diziam que era um cara maluco, que já havia sido internado, vivia de cabelo enorme, barbado e que, como um vampiro, só saía à noite.

Certo dia, chegou à casa do Ronaldo Bôscoli. Não era nada do que diziam as más línguas.

Cabelo cortado, barba feita, sapato engraxado e, claro, um violão debaixo do braço. Tocou um violão fantástico que deixou todo mundo boquiaberto e explicou que tinha brigado com o Tito Madi, não tendo para onde ir. Já era madrugada quando João, convidado pelo Bôscoli, mudou-se para o pequeno quarto-e-sala do Edifício Haiti onde já moravam, além do Bôscoli, Mièle e um empregado chamado Chico. Cinco "artistas" num quarto-e-sala.

Era um sujeito de hábitos muito estranhos. Ficava horas ao telefone, horas no banheiro, para desespero dos outros moradores. Dormia vestido, com uma gravata tapando os olhos. Ficava, como um morto, em decúbito dorsal. Sempre muito limpo, muito asseado.

Havia um sistema para compras de mantimentos para a casa em que todos cooperavam. Só que o João Gilberto só comprava o que gostava: Tangerina!

Ia pra rua de madrugada, passava na feira e comprava quilos de tangerina. Chegava por volta das seis horas e acordava todo mundo, cantando as músicas do dono da casa, Ronaldo Bôscoli. Aprendeu "Lobo Bobo" (que o Bôscoli fez para a Nara) e "Saudade fez um Samba", com acordes magníficos, deslumbrando a todos.

Certo dia disse ao Ronaldo (a quem ele chamava de "Ronga"):

- "Que suéter bonito, Ronga! Vocês cariocas tem bom gosto! Me empresta?".

O coitado do Bôscoli emprestou o lindo suéter que ficou pra sempre com o "cara-de-pau".

Quem quiser ver, compre o primeiro LP que gravou: "Chega de Saudade". O suéter está lá.

Quando a Bossa Nova começou a ser descoberta, produzida e respeitada pela imprensa, algumas das mais lindas mulheres de Copacabana começaram a se interessar também pelos seus autores e cantores, que passaram a ser literalmente "cantados". Elas organizavam festas em seus grandes apartamentos e disputavam avidamente a atenção dos galãs.

Tom, Menescal, Bôscoli, Carlinhos e Normando eram os alvos principais. O primeiro era o mais cobiçado, embora casado e super-vigiado por sua mulher - Teresa Hermany.

Consta que quando uma moça apaixonada pelo "bom pinta" debruçava-se no piano, exibia seu generoso decote e dizia languidamente: "-Tom, você me leva em casa?", ele respondia:

"- Um momentinho, vou telefonar pra Teresa".

Mas não resistiu aos encantos da atriz francesa Milene Demongeot.

Normando Santos, que era professor de violão na escolinha de Carlos Lyra e Roberto Menescal, tinha uma aluna especial: Maria Teresa - mulher do então Vice-Presidente da República, João Goulart. Reza a lenda que ela o convidou para "ver um filminho no Palácio, às quatro horas". Contente da vida, nosso amigo foi ao cinema Palácio, comprou os ingressos e ficou na porta, à espera daquela beleza de mulher. Esperou, esperou e nada! Voltou pra casa.

Depois ficou sabendo que ela o esperava no Palácio Laranjeiras, não no cinema Palácio....


Sóstenes Pernambuco Pires Barros morou na Rua Barão da Torre, em Ipanema, quase esquina de Vinícius de Moraes. 

Estudioso e apreciador da "Bossa Nova", tinha uma grande coleção de discos, CD's e livros sobre o assunto.

Nem precisa dizer que era freqüentador assíduo da "TOCA DO VINÍCIUS" (R. Vinícius de Moraes, 129 - Tel 2247-5227), bem perto da sua casa, onde fomos encontrá-lo para tomar um chope. 

Sóstenes

Sóstenes, em seu escritório.

Sóstenes Pernambuco Pires Barros

Sóstenes Pernambuco Pires Barros

Página inicial do ALMA CARIOCA
Seções:
Rio de Janeiro
Turismo no Brasil e Viagens Nacionais
Turismo e Viagens Internacionais
Esportes
Olimpíadas Rio 2016 - Jogos Olímpicos e Paraolímpicos
Copa do Mundo Brasil 2014
Vídeos musicais nacionais
Vídeos musicais internacionais
Vídeos clips de músicas clássicas
Clipes musicais de filmes e trilhas sonoras
Melhores Sambas Enredo de Todos os Tempos
Vídeos de Mantras para Relaxamento e Meditação
Vídeos de músicas românticas internacionais e nacionais
Desenhos animados antigos da tv
Seriados antigos da tv
Trailers de filmes
Trailers de filmes clássicos de maiores bilheterias
Restaurantes, receitas e gastronomia
Crônicas
Bossa Nova
Rio Antigo
História Geral
História do Brasil
Geografia, Biomas brasileiros e ecossistemas
Artistas e celebridades

comments powered by Disqus

Política de Privacidade - Fale conosco
© 2001-2013 - Copacabana Internet