Alma Carioca

Cinelândia, Palácio Pedro Ernesto e Palácio Monroe

Cinelândia

A Cinelândia é o nome popular da Praça Floriano Peixoto no centro de Rio de Janeiro.Em tempos coloniais, A estrutura principal na área da Cinelândia foi o Convento da Ajuda, construído em torno de 1750. A forma da Cinlândia de de hoje começou a se desenhar no início do século 20, quando o Governo brasileiro achou que a cidade do Rio de Janeiro, então capital da República, precisava ser totalmente reformulada.

Começando em 1904, o centro da cidade, foi remodelada seguindo as últimas tendências em matéria de higiene e urbanismo sob a direção do prefeito Pereira Passos. O elemento central da reforma era uma grande avenida - a Avenida Central, agora Avenida Rio Branco, que foi construída atravessando o centro da cidade antiga. A maioria das antigas casas coloniais no centro do Rio foram demolidas. A área em frente ao Convento da Ajuda foi transformada em uma praça pública moderna.

Durante as primeiras décadas do século 20 uma série de monumentais edifícios públicos foram construídos de frente para a praça. Estes edíficos foram: Theatro Municipal, Biblioteca Nacional e Palácio Pedro Ernesto. Localizado nas proximidades havia o Senado Nacional (Palácio Monroe, Demolido na década de 1970) e da Escola Nacional de Belas Artes, hoje Museu Nacional de Belas Artes. A praça concentra uma grande parte da vida política e cultural do Brasil. Os edifícios que cercam a praça eram um símbolo da modernização da cidade.

No centro da praça, foi erguido em 1910 um monumento ao Marechal Floriano Peixoto, o segundo presidente da República.

O antigo Convento da Ajuda sobreviveu à primeira remodelação da praça, mas foi demolido em 1911. Em seu lugar, foram construídos uma série de edifícios altos que concentravam vários cinemas da cidade. Foi devido a estes cinemas que a área se tornou conhecida popularmente como Cinelândia.

A maioria dos cinemas na Cinlândia foram fechados, mas a região em torno Cinelândia ainda é um local animado no Rio, graças aos seus bares, restaurantes e atrações culturais.


Tradução: © 2010, Hélio Augusto Ferreira Fontes.
Este artigo está licenciado sob a GNU Free Documentation License (www.gnu.org/copyleft/fdl.html). Usa material do artigo da Wikipédia "Cinelândia" (en.wikipedia.org/wiki/Cinel%C3%A2ndia).

Palácio Pedro Ernesto

As fotos atuais do Palácio Pedro Ernesto são de autoria de José Conde da Rocha                

 

Texto de Ezna Dias Pinheiro

Revisão: Márcia Della Libera

 

O Palácio Pedro Ernesto, sede do Legislativo Carioca, foi fundado em 1923 na gestão de Carlos Sampaio, então prefeito do Distrito Federal, pois o Rio era, a esse tempo, Capital do Brasil.

Heitor de Mello, responsável pelo projeto, faleceu antes de ver sua obra concluída. Coube, então, ao seu companheiro de escritório, Archimedes Memória, finalizar a construção do Palácio Pedro Ernesto. O arquiteto Heitor de Mello concluiu o projeto em 1911, ano em que o Convento da Ajuda foi demolido, mas a construção só teve início em 1920.

Além do Palácio, que por si só já é um monumento da arquitetura carioca (tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional), existem em seu interior obras de grande valor. Pintores reconhecidos internacionalmente como Eliseu Visconti, Carlos Oswald, Rodolfo Amoêdo, entre outros, têm suas telas expostas no Pedro Ernesto. O tríptico de Eliseu Visconti, que fica no hall do Salão Nobre, é a obra mais glamurosa. Ela retrata a cidade assentada num trono e as duas figuras de destaque da história: o prefeito Pereira Passos e o médico sanitarista Oswaldo Cruz.

O Salão Nobre, em estilo Luis XV, é aquele recanto do Palácio onde o visitante entra pensando em festa e se deslumbra com a beleza do ambiente com arremates de tinta dourada e teto com obras dos irmãos Chambelland e de Oswald, que lembram as tradições do Paraíso, inspirados em ideais greco-romanos.

No Plenário destaque para a pintura de Rodolfo Amoêdo, retratando a fundação da cidade por Estácio de Sá. Na parede oposta, à frente da presidência, tem-se o quadro “O suplício de Tiradentes” de Francisco Aurélio de Figueiredo, ladeado pelas estátuas de Estácio de Sá e Rui Barbosa, de autoria de Honório Peçanha. Bem ao lado do Plenário, como ante-sala, vê-se a imponente Sala Inglesa em estilo elisabetano, toda revestida de imbuia com pinturas que retratam a ida e a volta do trabalho, de Décio Villares.

Saindo da Sala Inglesa vamos encontrar o patriarca da Independência, José Bonifácio, pensando o Brasil em tela de Eduardo de Sá, colocado na ala que leva seu nome. Na ala seguinte encontramos o Conde de Bobadella, Gomes Freire de Andrade, que governou o Estado do Rio no século XVIII, de 1733 a 1763.

Mas, a história do Palácio Pedro Ernesto não pode ser contada assim, sem envolvimento. Ao contrário, não há como não se envolver, pois se trata da história da cidade que cresceu a partir do extinto Morro do Castelo e hoje se espalha até a bela Pedra de Guaratiba, passando pela modernidade da Barra da Tijuca.

Em verdade tem-se que fazer um passeio pelo Rio Antigo, “andar” pelo Morro do Castelo, onde os portugueses se instalaram após expulsarem os franceses das terras cariocas - termo usado pelos índios tupis para designar as casinhas brancas surgidas na paisagem a partir da fundação da cidade. Bem, voltando ao passeio.... adentremos a igreja de São Sebastião, patrono da cidade, que tem ao lado o Mosteiro dos Jesuítas, caminhemos um pouco pelo largo onde foi construída a primeira sede do Legislativo Carioca e onde tantas festas aconteceram, porque se há uma coisa que o povo carioca gosta é de festas e, aproveitemos para dar uma espiada na privilegiada paisagem. Que linda!!!! A Baía de Guanabara, o Pão de Açúcar, o Morro Cara de Cão, onde estavam instalados os franceses, o Outeiro da Glória.... vista magnífica...!!!

Então desçamos o Morro pelo caminho dos seminaristas, em direção ao Largo da Ajuda. Saímos exatamente em frente à Escola Pública da Freguesia de São José, que tem ao lado o Convento da Ajuda, onde vivem as freiras da Ordem da Conceição. Esse espaço também já foi denominado Largo da Mãe do Bispo, porque ali morou a mãe do Bispo José Joaquim Justino Mascarenhas Castelo Branco, Dona. Ana Teodoro Ramos de Mascarenhas.

Bom, como a polêmica também é uma característica do carioca, o projeto desse convento não poderia passar impune. Os homens da cidade foram contrários à construção desse “esconderijo de mulheres”, já que, no Brasil Colônia, elas eram extremamente necessárias para a reprodução e conseqüente expansão. Mas Gomes Freire, o Conde de Bobadella, não deu ouvidos à polêmica e atendeu à Ordem da Conceição. Percebe-se a importância desse convento com a morte de D. Maria I, rainha de Portugal e da imperatriz Leopoldina. Ambas tiveram os despojos depositados no convento, sendo que o da rainha, depois, foi levado de volta para o seu país.

Mas, o tempo passou, e toda essa paisagem foi alterada com o prefeito reformador Pereira Passos, ao abrir a avenida Central - atual Rio Branco - até a beira mar, onde colocou o Obelisco. Em frente à praça, que ficou mais definida, construiu o imponente Teatro Municipal. Depois surgiram a Biblioteca Nacional, o Fórum, o Palácio Monroe - primeira arquitetura do nosso país premiada internacionalmente - que foi colocado próximo ao Obelisco, assim que terminou a construção da Avenida Central, com todo o carinho de Pereira Passos.

O certo é que uma área dominada pelo poder da Igreja, pois estava circundada por mosteiros e conventos, acabou por definir-se pelo poder da República que ainda estava “novinha em folha”. E como a Escola da Freguesia de São José já havia servido como sede do Legislativo Carioca por diversas vezes, foi decidido que ali seria construído o Palácio sede do Conselho Municipal. Com isso, enquanto o Morro do Castelo ia abaixo, levando com ele a nossa primitiva história, surgia no Largo da Ajuda o Palácio Pedro Ernesto, obra um tanto quanto cara, e considerada até extravagante, mas que hoje enche os olhos dos visitantes por sua surpreendente beleza.


Foto de 1923, logo após a construção, cedida pelo "Cerimonial da Câmara
Municipal do Rio de Janeiro" e que nos foi enviada por Ezna Dias Pinheiro.

Foto de 1938, cedida pelo "Cerimonial da Câmara Municipal do Rio de Janeiro"
e que nos foi enviada por Ezna Dias Pinheiro.

 

Palácio Monroe

Por que foi demolido?

Já se passaram quase trinta anos desde a sua demolição, mas o Palácio Monroe continua despertando polêmica. O atual prefeito do Rio de Janeiro, César Maia, aventou a hipótese de reconstruí-lo. E muito concordam  com ele. O Palácio Monroe foi projetado pelo general Francisco Souza Aguiar para a Exposição Internacional de  Saint Louis, em 1904. Seu projeto foi premiado. Era a primeira vez que uma obra da arquitetura brasileira era reconhecida internacionalmente.

Terminada a exposição, o Palácio foi reconstruído no Rio de Janeiro, sendo este o primeiro edifício oficial inaugurado na Avenida Central, em 1906.

O nome foi uma homenagem ao Presidente americano James Monroe, por sugestão do Barão do Rio Branco, Ministro das Relações Exteriores. Monroe foi o criador do Pan-Americanismo e, naquele local, realizou-se a "Terceira Conferência Pan-Americana"

Até 1914 o magnífico palácio continuou sendo usado como pavilhão de exposições.

Após algumas reformas passa a abrigar a Câmara de Deputados, que ali  permanece até 1922.

De 1925 a 1930 é ocupado pelo Senado Federal. A "Revolução de 30" dissolveu o Senado, encerrando um ciclo.

"Por volta de 1970 tem, junto com outros edifícios da Avenida Rio Branco, o pedido de tombamento federal negado pelo IPHAN, conseguindo-o apenas no âmbito estadual.

A falta do aval federal para sua preservação levaria a uma verdadeira batalha em 1976.

Com as obras do metrô, é pedida sua demolição, apoiada por baluartes da arquitetura moderna como Lúcio Costa, e pelo Jornal "O GLOBO", que o atacava veementemente através de editoriais.

Por outro lado, o IAB e o Clube de Engenharia, através do Jornal do Brasil, tentavam de todas as maneiras preservar o edifício. Contudo, nem mesmo alterações no traçado do metrô foram suficientes para salvar o Palácio, que viria a ser demolido no mesmo ano." (1)


Sobre o Palácio Monroe, assim se manifesta o site oficial do Senado Federal (3):

O Palácio Monroe -
Segunda Sede do Senado

Construído em 1904 para ser o "Pavilhão do Brasil" na Exposição de Saint Louis, de 30 de abril a 1º de dezembro de 1904 (comemoração do centenário de integração do Estado de Louisiana aos EUA), durante o regime republicano do Presidente Francisco de Paula Rodrigues Alves, com o intuito de firmar o Brasil perante a situação mundial que vivia a euforia da "Belle Époque".

O autor, Coronel e Engenheiro Francisco Marcelino de Souza Aguiar, desenhou o palácio usando uma estrutura metálica, capaz de ser totalmente desmontada e re-aproveitada no Brasil, conforme determinação do Aviso nº 148 de 03/07/1903, cláusula 1ª: "Na construção do Pavilhão se terá em vista aproveitar toda a estrutura, de modo a poder-se reconstruí-lo nesta capital".

A imprensa americana não poupou elogios, destacando o "Pavilhão do Brasil" pela beleza, harmonia das linhas e qualidade do espaço, condecorando-o com o maior prêmio de arquitetura da época: "Grande Prêmio Medalha de Ouro".

Os elementos de composição inscrevem-se na linguagem geral do ecletismo, num estilo híbrido, caracterizado por uma combinação liberal de diversas origens que marcou uma época de transição na arquitetura. Rompendo o Brasil com os laços tradicionais da arquitetura de Portugal e descobrindo novas tendências.

Em 1906, foi remontado no Brasil, com 1700 m² de área construída, para sediar a "3ª Conferência Pan-Americana".

A demolição

O início da campanha para a demolição do Palácio Monroe foi detonado em 04/07/1974, pelo jornal "O Globo", justificando atrapalhar o trânsito e a construção do metrô, qualificando-o como uma mera cópia, desprovido de qualquer valor artístico. Começa a elencar pareceres favoráveis à demolição.

O Palácio, que fora motivo de orgulho nacional, passa a ser chamado de monstrengo do passeio público, sem importância histórica. O local passa a ser especulado pela iniciativa privada para a construção de um edifício garagem, mas a proposta de uma grande praça para a estação do metrô da Cinelândia, rodeada de áreas verdes, ganha adeptos.

O Senador Magalhães Pinto, Presidente do Senado, pressionado pela opinião pública e pelos ataques do jornal "O Globo", dispõe-se a desocupar definitivamente o prédio.

Em 11 de outubro de 1975, o Presidente Ernesto Geisel autorizou o Patrimônio da União a providenciar a demolição do Palácio Monroe.

Datas Importantes

  • 23/07/1906 - Inaugurado no Rio de Janeiro para a "3ª Conferência Pan-Americana" - O orador, Barão do Rio Branco, batiza o então "Pavilhão do Brasil" como "Palácio Monroe", em homenagem ao Presidente dos EUA.

  • Agosto, 1909 - Serve de sede para o "4º Congresso Médico Latino Americano - Exposição Internacional de Higiene.

  • 1910 - É palco de várias reuniões e banquetes oficiais.

  • 1911 - Utilizado como sede do Ministério da Viação.

  • 1912 - Acolhe o "Congresso Internacional de Jurisconsultos".

  • 1914 - Sede da Câmara dos Deputados.

  • 1920 - Sessão Solene - Visita do Rei Alberto da Bélgica.

  • 1921 - Convenção Nacional.

  • 1922 - Comissão Executiva - Centenário da Independência.

  • 1925 - Sede do Senado Federal.

  • 1960 - Estado Maior das Forças Armadas.


Fontes consultadas:

 

Recomendar com o Google +1: Recomendar esse artigo a um amigo Email

Bairros 

do Rio de Janeiro

Leblon Copacabana Ipanema
Lagoa Urca Botafogo
Flamengo Barra da Tijuca Santa Teresa
Glória Catete Lapa
Alto da Boa Vista Centro Tijuca
Grajaú Vila Isabel Méier
Madureira Cosme Velho São Cristóvão
Penha Ilha do Governador Ilha de Paquetá
Usina Jacarepaguá Realengo
Cordovil Penha - Um desabafo

Página inicial do ALMA CARIOCA
Seções:
Rio de Janeiro
Turismo no Brasil e Viagens Nacionais
Turismo e Viagens Internacionais
Esportes
Olimpíadas Rio 2016 - Jogos Olímpicos e Paraolímpicos
Copa do Mundo Brasil 2014
Vídeos musicais nacionais
Vídeos musicais internacionais
Vídeos clips de músicas clássicas
Clipes musicais de filmes e trilhas sonoras
Melhores Sambas Enredo de Todos os Tempos
Vídeos de Mantras para Relaxamento e Meditação
Vídeos de músicas românticas internacionais e nacionais
Desenhos animados antigos da tv
Seriados antigos da tv
Trailers de filmes
Trailers de filmes clássicos de maiores bilheterias
Restaurantes, receitas e gastronomia
Crônicas
Bossa Nova
Rio Antigo
História Geral
História do Brasil
Geografia, Biomas brasileiros e ecossistemas
Artistas e celebridades

comments powered by Disqus

Política de Privacidade - Fale conosco
© 2001-2015 - Copacabana Internet